LA FIESTA: ECOLOGÍA, PASIÓN Y MUERTE

     Um dia, um jornalista me perguntou se as touradas eram de direita ou da esquerda. Havia motivos ter dúvida: na França há tantos aficionados de esquerda como de direita. E a defesa das touradas é o único ponto político comum entre os cinqüenta municípios que se mobilizaram para que a UNESCO reconheça “La Fiesta” como patrimônio imaterial da humanidade.

     Eu respondi: não mais que a ópera, o flamenco, o ciclismo, os touros não são de direita nem de esquerda. Entretanto, há partidos ecologistas que deveriam reconhecer na Fiesta seus próprios valores.

     Infelizmente, estes partidos costumam estar pintados de uma ideologia animalista muito pouco ecológica e cheios de militantes que ignoram a realidade da vida do touro no campo e da sua morte na arena.

     Os defensores das touradas, sim, dirigem um combate ecologista. Primeiro, defendem uma das últimas formas de criação extensiva que existem na Europa, na qual, cada animal dispõe de um a três hectares de território. Acabem com as touradas e muitas dessas terras hoje reservadas ao touro de lida serão destinadas a uma agricultura intensiva ou industrial.

     Eles defendem um ecossistema único, o pasto, que é uma verdadeira reserva de fauna e flora a imagem dos grandes parques naturais protegidos.

     Também defendem a biodiversidade. O touro bravo constitui uma variedade única de touro selvagem preservada graças aos grandes criadouros e que ficaria condenado ao matadouro se acabassem com a Fiesta. É um caso único de criação que respeita quase todas as exigências da vida selvagem de um animal (território, alimentação, etc.) precisamente porque é necessário, em vista do futuro combate, preservar seu instinto natural de agressividade e de desconfiança em relação a todo intruso, em particular, o homem. O touro de combate é o único animal doméstico que para satisfazer as finalidades humanas para as quais é criado necessita que não se o domestique. Tem de ser criado o mais naturalmente possível – pois se não fosse assim, seu combate na arena seria impossível e a tourada perderia seu sentido -.

   Existe espetáculo ou arte mais ecológico que as touradas? Com certeza não. No entanto, acontece que muitos ecologistas “esquecem” seus valores para adotar valores animalistas opostos.

     Defender a biodiversidade, o equilíbrio das espécies e dos ecossistemas não tem nada a ver com o fato de se ocupar com o destino individual de cada animal. Não se pode salvar a espécie “leopardo” e se preocupar com o destino individual das gazelas. É necessário escolher. Para salvar o touro de lida como espécie, é preciso sacrificar alguns exemplares destinados mais a arena que ao matadouro.

     Torna-se paradoxal que para salvar a alguns exemplares tenha que condenar toda a espécie, tornada inútil no matadouro.

     Mas, não podemos nos compadecer do destino dos animais? É claro que sim.

     Devemos devolver aos nossos cachorros e gatos o afeto que nos professa, uma espécie de contrato moral afetivo nos une a esses animais de companhia, e claro é cruel bater no seu cachorro e é imoral o abandonar na estrada. Com os animais domésticos, temos outro tipo de contrato moral, eles nos dão lã, couro e carne, em troca de nossa proteção, uma alimentação adaptada e condições de vida descentes. Torna-se cruel criá-los em massa e reduzi-los a máquinas de carne. E com os touros bravos? Outro tipo de contrato nos une a eles: respeitar sua bravura enquanto vivem e até a morte. Portanto, é moral criá-los de acordo com a sua natureza brava (livre, insubmisso e rebelde) e sacrificá-los em um combate que lhes dê sentido, importância e gravidade; um cara a cara que respeita sua natureza brava e durante o qual o homem arrisca sua própria vida à altura do respeito que este tem pela vida de seu adversário. Não é isso mais moral que a contenção forçada e o sórdido silêncio de um matadouro?

    Que não gostem da tourada por uma questão de sensibilidade pessoal, é compreensível: todas as sensibilidades são respeitáveis. A quem ignora tudo sobre a tourada, as condições de vida ou de morte do touro, a ética do combate e sua estética, a todos que imaginam um espetáculo cruel e sanguinário, somente há que lhes aconselhar que visitem alguns criadouros ou assistam a algumas tarde heróicas e grandiosas. Verão a comunhão espiritual que rodeia a este espetáculo pungente e sublime. E se preferem se manter afastados dos touros e conservar seus preconceitos, são livres, na condição de que sua ignorância não os faça intolerantes com aqueles que não pensam nem sentem como eles. Mas os que se atrevem a classificar como “tortura” o perigoso enfrentamento na arena, onde o homem arrisca sua vida em cada instante, isso é uma questão de má fé. É um insulto a todos os torturados da terra. É querer inverter o sentido das palavras: torturar é sem correr nenhum perigo, fazer sofrer a um adversário que se encontra indefeso, enquanto que tourear consiste em que o animal possa em todo momento atacar livremente ao seu oponente, ao que se pode ferir a cada instante, um animal cuja bravura e perigo aumentam conforme transcorre o combate. Se fosse um boi, não deixaria de fugir (e isso sim seria tortura) e então não haveria luta, se o touro fosse realmente torturado, fugiria em lugar de redobrar esforços e seguir lutando. Falar de tortura para se referir as touradas é atacar a todas essas atividades, entretanto bem pacíficas, que implicam na morte de um animal, como a pesca com vara.

     Pode-se chamar de torturadores a esses pescadores domingueiros?

   Os aficionados não desfrutam das feridas do animal! Admiram a inteligência do homem, a bravura do animal, o valor dos combatentes, a transformação de uma força bruta em obra humana. Os auto-proclamados defensores dos animais, que adotam o monopólio da moral e dos bons sentimentos, como se nós, os aficionados, fossemos insensíveis e imorais, todos esses animalistas, se compadecem talvez dos sofrimentos de alguns, mas amam de verdade os animais pelo que são, o que fazem e o que encarnam? Aceitam a animalidade em toda sua diversidade ou o que querem é reduzi-la ao fantasma de amáveis animaizinhos de desenhos animados de Walt Disney?

   Quem ama os touros sabe que para eles o pior dos males é o stress que leva o confinamento, mais que a “dor”, anestesiado pelo combate e transformado em combatividade: o soldado – ou o toureiro!- esquece suas feridas no ardor da batalha, são absorvidas pela ação e transformadas em atos.

    Sejamos generosos e suponhamos que todo mundo é sincero, tanto os aficionados como os anti taurinos. Vamos admitir que todos amam o touro e querem defendê-lo. Uns vêem nele um herói que luta, os outros uma vítima a que se mata. Mas isso seria impossível, tanto para uns como para outros, sem uma dose de identificação. Tratemos então de responder com franqueza. O que preferiríamos se tivéssemos que nos colocar “no lugar” do animal? Uma vida de boi de campo encadeado que se acaba passivamente no matadouro ou uma vida de touro em liberdade que se prolonga em vinte minutos de combate valente? Talvez alguns tenham dúvida… Se tiverem, não denigram aos que preferem a vida e a luta do touro bravo, não denigram aos que pensam que sua sorte é uma das mais invejáveis de todas as espécies animais que o homem se apropriou para satisfazer seus fins e que povoa sua imaginação. Não sentenciem a morte das touradas nem dos touros de combate, respeitem a quem os amam.

Francis Wolff

Professor de filosofia da Univerdade de Paris.